Platão

                             O nome de Platão é praticamente sinônimo de filosofia e seria estranho se a falsafa nada devesse às ideias do mestre de Aristóteles. Essa presença, praticamente obrigatória quando se diz filosofia, é, certamente, verificada ao entrarmos em contato com muitas das ideias dos filósofos de língua árabe.

                           No entanto, a presença de Platão na falsafa foi construída mais por influência de textos de caráter platônico e neoplatônico do que propriamente por meio de uma exegese direta de seus livros pelos filósofos árabes, diferentemente do que fora feito em relação a Aristóteles.

                             Nesse sentido, os escritos de Platão parecem não ter chamado tanto a atenção dos filósofos de língua árabe como aconteceu com a filosofia de Aristóteles. Conhecia-se bem a vida de Platão, seu papel na história da filosofia grega, mas traduções integrais de sua obras não tiveram a mesma presença tal como ocorreu com Aristóteles.

 

                         Inicialmente, os principais diálogos de Platão começaram a ser traduzidos, mas depois pararam bruscamente, preferindo-se paráfrases e resumos de suas principais ideias. Ao mesmo tempo, foram inúmeros os textos apócrifos traduzidos a Platão.

                            No caso da República, sabe-se, por meio de Averróis, que existiu uma tradução em árabe que ele mesmo parafraseou. A paráfrase elaborada por Averróis chegou até nós conservada por uma tradução em hebraico.